Esta página disponibiliza as classificações estatísticas nacionais, para temas selecionados, usadas no sistema estatístico e nos cadastros administrativos do País e as classificações internacionais a elas associadas.

Grupo de Trabalho para a Classificação de Ocupações

Com o objetivo de construir uma classificação de ocupação única no País, foi constituído, no âmbito da Concla, o Grupo de Trabalho para a Classificação de Ocupações, sob a coordenação do Ministério do Trabalho e Emprego. As atividades desse Grupo tiveram início em 20 de junho de 1995 e sua atribuição era a de proceder à revisão e atualização da Classificação Brasileira de Ocupações vigente (versão de 1994).

A CBO, classificação oficial de ocupações no País, desde sua primeira edição, em 1982, sofreu alterações pontuais, sem modificações estruturais e metodológicas. Essas versões também não levavam em conta a questão da comparabilidade com a classificação de ocupações internacional (International Statistical Classification of Occupations-ISCO-88 / Clasificación Internacional Uniforme de Ocupaciones-CIUO-88 - CIUO.

A CBO vinha sendo usada para codificar as informações relativas a ocupações nos órgãos da administração pública, porém não era adotada no sistema de informações estatísticas, que utilizava uma classificação de ocupações própria.

O trabalho de construção de uma classificação padronizada e com comparabilidade internacional, para uso no sistema estatístico e registros administrativos, resultou na versão CBO - 2002, que utiliza uma nova metodologia e apresenta uma revisão e atualização completas de seu conteúdo. Como não foi possível concluir a revisão da CBO antes da realização do Censo Demográfico de 2000, o trabalho do GT resultou também na elaboração da CBO-Domiciliar, que é a versão da CBO usada no Censo Demográfico de 2000 e nas demais pesquisas domiciliares a partir dessa data.


© 2017 IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística